Arquivo da tag: uti neonatal

De volta ao começo 

Uma consulta para viabilizar um exame nos levou de volta ao começo. Retornamos ao lugar onde Alice passou os primeiros 145 dias de sua vida. Tudo em volta era tão familiar quanto perturbador. Os olhares baixos das mães na fila … Continuar lendo

Publicado em Posts | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Valsa do tempo 

Na consulta periódica para exame específico da visão, a oftalmologista pergunta: – Ainda usa a lamotrigina? – Não.  – Ácido valpróico? – Também não.  – Clonazepan… Rivotril?  – Felizmente não.  – Topiramato?  – Não.  Quais os medicamentos, agora? Apenas um, … Continuar lendo

Publicado em Posts | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

De pé

Sempre acreditei que ficar de pé dependesse, grosso modo, da sincronia entre músculos, ossos, articulações e comandos. Sem ignorar a complexidade desse movimento para o corpo humano, a maneira quase instantânea com que o realizo me fazia crer que bastava … Continuar lendo

Publicado em Posts, Sem categoria | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

Minha filha Alice, Três anos atrás, no dia de hoje, o seu nascimento foi nossa separação. Enrolada em um plástico, entubada, você foi levada para a UTI neonatal, onde passou os primeiros 145 dias de sua vida. Não senti seu … Continuar lendo

Publicado em Posts | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Tempo, mano velho

Temos tido dias de peleja e labuta. Apesar de todos os esforços, de todas as medicações, Alice tem sido acometida por longas e severas crises convulsivas diariamente. Assisto, tomada de pavorosa impotência, seu corpo ser chacoalhado pelos espasmos, numa descarga … Continuar lendo

Publicado em Posts, Sem categoria | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A hora do desamparinho

Na semana passada, o texto que abordava o choro diário de minha filha Alice, às seis da tarde, motivou uma série de mensagens comoventes de outras tantas pessoas que vivem ou viveram realidade parecida. Significar a dor do outro é … Continuar lendo

Publicado em Posts, Sem categoria | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

Lusco-fusco

Alice costuma se despedir do dia que termina aos prantos. O lusco-fusco exerce uma certa hipnose sobre ela e parece evocar ora medo, ora angústia, ora cansaço, ora irritação. É um choro inconsolável, sentido, mobilizador. Um choro que me enlaça … Continuar lendo

Publicado em Posts, Sem categoria | Marcado com , , , , , , , , , | Deixe um comentário