Arquivo do autor:Diário da mãe da Alice

Leitura universal, interpretações singulares

Como é que se dá a leitura junto à criança com deficiência? O comprometimento cognitivo, visual, auditivo ou motor inviabiliza tal prática? Ou, ainda que viável, é menos importante? Como é possível atribuir intenção e significado à leitura quando o … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Oficina: Leitura universal, interpretações singulares

Quando comecei a escrever este Diário e vocês acolheram tais registros, tecendo comentários e abrindo espaço para o que liam e sentiam; Quando me meti a publicar um livro com a coletânea das crônicas deste blog e vocês apoiaram de … Continuar lendo

Publicado em Posts | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Rotina 

Se a mim fosse concedido um único desejo a toda pessoa que experimenta a maternidade… se houvesse apenas uma chance, um palpite em torno da minha condição de mãe… eu arriscaria pedir rotina. Rotina.  A rotina é o previsível que … Continuar lendo

Publicado em Posts | Marcado com , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Oração das quatro estações

Oração das quatro estações. Feliz aniversário, minha filha!

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Valsa do tempo 

Na consulta periódica para exame específico da visão, a oftalmologista pergunta: – Ainda usa a lamotrigina? – Não.  – Ácido valpróico? – Também não.  – Clonazepan… Rivotril?  – Felizmente não.  – Topiramato?  – Não.  Quais os medicamentos, agora? Apenas um, … Continuar lendo

Publicado em Posts | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Ponto de vista

Na festa de São João, uma menina lança o olhar sobre a Alice e sobre mim. Quando correspondo, ela desvia e sorri, encabulada. Minutos depois, ela retoma, já encorajada. – Posso te fazer uma pergunta? – Claro! – Você jura … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Batalha da madrugada

Sono interrompido por um desconforto qualquer. Confiro, acolho, cuido, tentando ajudá-la a se reconciliar com a cama ainda quente. Ganho sorrisos em retribuição, e quase me esqueço que são duas horas da madrugada. Pego-a no colo, tentando distribuir seus 15 … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | 1 Comentário