Algazarra

A praia foi uma festa para os sentidos da Alice! Os grãos de areia saltitaram e se esparramaram com ligeireza, provocando o despertar de cada pedacinho de seu corpo. Ela percebeu que mesmo a menor partícula granulosa é capaz de se fazer notar quando em contato com a pele, assim como são suas conquistas, aos olhos de sua família. As ondas suaves do mar confirmaram à nossa pequena algo que ela também aprendeu desde os primeiros dias de vida: que essa capacidade de fazer-e-refazer, criar-e-desmanchar produz bonitezas infindas e deixa mesmo um gosto salgado, que a gente não sabe se é da labuta ou do prazer do recomeço. Alice provou as gotas que lhe salpicaram a boca com familiaridade e, embora fosse a primeira vez, aquele pareceu ser um sabor conhecido. Houve também uma brisa leve, que a abraçou todos os dias. Como as intempéries da vida, algumas vezes causou arrepios, noutras arejou e refrescou o fôlego, lapidando a disposição para novas andanças. De quebra, ainda tivemos lua cheia, inteira, absoluta e luminosa no firmamento, feito nosso amor.

Mas foram os passarinhos que ganharam da Alice a maior atenção. A casa em que nos hospedamos era bastante isolada, com mata em todo o entorno, e o quarto em que ficamos estava situado no andar de cima do sobrado, pertinho da copa das árvores. Ao amanhecer, eles iniciavam a algazarra anunciando que um dia novinho em folha nos esperava. Duvido que nossa pequena tenha conseguido avistar algum dos pássaros. Mas a cantoria lhe atravessou os ouvidos e se aninhou em sua memória afetiva. Dali em diante, todos os dias, quando se ouvia o primeiro piar, eu ouvia também minha filha emitir um “ahhhhh” no berço. E ao me ver por entre as telas que mantém os insetos afastados, ela sorria em pura cumplicidade com os passarinhos, querendo se juntar a eles. Passei a oferecer sua primeira refeição – a desejada mamadeira – ao ar livre, na companhia dos canários, bem-te-vis e beija-flores. A passarinhada tinha muito assunto, mesmo às 5 da manhã, e Alice procurava acompanhar atenta todos os sons. Quando, enfim, eles alçavam voo para outros ares, ela já estava bem abastecida de alimento para o corpo e para a alma e fazia ecoar aquela alegria pelo dia afora.

A mata que abrigou a conversa da passarinhada que alegrou Alice. O arco-íris foi brinde do primeiro dia.

A mata que abrigou a conversa da passarinhada que alegrou Alice. O arco-íris foi brinde do primeiro dia.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Posts e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s