Luta pela vida – por Elaine Caetano

Conta pra gente a sua história! Basta enviar para diariodamaedalice@gmail.com. Pode ser texto longo ou recadinho, poema ou prosa, foto ou música. O importante é que não falte a dedicatória!

A história de hoje foi enviada pela Elaine Caetano, que mora em Osasco (SP). Ela é mãe de dois meninos, Dênis e Gabriel, ambos com 2 anos de idade. Aqui no Diário ela nos conta como os três – mãe e filhos – sustentaram o fio da própria vida para que fosse possível estarem juntos.

Elaine, obrigada por nos falar da sua coragem e do seu amor! Que vocês três possam estar sempre unidos, aprendendo e descobrindo do que esse afeto é capaz.

“Ser mãe, para mim, foi uma decisão muito cobrada e pensada. Minha situação era: 28 anos, casada há três anos, meus pais e meus sogros ainda não tinham netos, e meu marido não podia ver uma criança que seus olhos brilhavam. Eu estava com minha carreira engrenada e realizando um sonho acadêmico, cursando psicologia. Apesar disso, sentia que faltava um amor maior, e pensei: ´Ah, dá pra conciliar um bebê nessa minha correria.`

Mas os planos de Deus foram diferentes e Ele me mandou 2 meninos gêmeos idênticos – Dênis e Gabriel – para revirar minha vida e fazer da minha gravidez um período de muito amor dolorido e satisfação. Foi o primeiro caso de gêmeos na família. Naquela época, o desemprego bateu à nossa porta e ainda precisei vencer o risco de morte que sofri no parto prematuro dos meus bebês, causado pela eclâmpsia e pela síndrome de Hellp. Por causa dessas complicações, eles nasceram com 32 semanas, com baixo apgar, tiveram complicações respiratórias. Eu não estive lá para confortá-los, porque também lutava pela vida. Quando, enfim, os conheci, já tínhamos 5 dias de nascidos e renascida. Apesar desta minha sentida ausência, pude perceber o quanto minha família é especial. Eles ficaram comigo o tempo todo: 22 dias no hospital e, depois, mais uns dois meses até minha total recuperação.

Meus filhos vieram para me transcender e unir a minha família pela caridade e pelo amor. Hoje Dênis e Gabriel tem 2 anos, e sem sequelas. Minha carreira está parada, as prioridades mudaram, o dinheiro está curto, a casa não fica limpa, mas encontrei o amor maior, que me preenche completamente, e sou mais feliz do que jamais pensei que poderia ser com minha família!”

(As fotos mostram três momentos dessa história: à esquerda, a primeira vez que Elaine esteve com os filhos; no meio, logo depois da alta, cuidando da cria em casa; à direita, as sapequices dos gêmeos aos dois anos.)

(As fotos mostram três momentos dessa história: à esquerda, a primeira vez que Elaine esteve com os filhos; no meio, logo depois da alta, cuidando da cria em casa; à direita, as sapequices dos gêmeos aos dois anos.)

Anúncios
Esse post foi publicado em Partilhas de amor e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s