Em busca de minha identidade materna

De tempos em tempos, sentia minha identidade de mãe posta à prova. Uma dúvida improvável balançava minhas convicções: será que minha filha sabe que sou sua mãe? Será que me reconhece? A incerteza nascia de uma vontade apressada de reciprocidade. Se digo “olha pra mamãe”, ela desvia o olhar. Se me inclino para pegá-la no colo, seus braços não vêm ao meu encontro. A afobação por me saber mãe, depois de tantos meses como visita em uma Uti Neonatal, testava a compreensão de nosso vínculo.

Meu primeiro pensamento era imaginar que ela sentisse como se fôssemos uma pessoa só, uma comunhão de mãe e filha. Eu sempre tão perto, tão junto, tão apegada, idealizei que não se fazia necessário que minha filha mostrasse distinção e reconhecimento de outra pessoa, neste caso, sua mãe. Posteriormente, indaguei a mim mesma se a paralisia cerebral seria capaz de inviabilizar as interações necessárias a nós duas. E, sendo isso possível, se afetaria, ainda, sua capacidade de afeição.

Até que compreendi que as demonstrações de apreço de minha pequena não são afeitas às minhas precipitações. Minha filha ama sutil e demoradamente, para minha sorte. Ela não me olha frequentemente nos olhos, mas minha voz se conecta com ela em qualquer ambiente. Ela não estende os braços em minha direção, mas raspa a garganta e balança insistentemente as pernas quando recusa um colo em favor do meu. Foi preciso aprimorar minha percepção, renovar o repertório e aprender formas de expressão menos convencionais para me perceber mais do que reconhecida, correspondida na nossa relação de mãe e filha. Foi preciso ser melhor – mais sensível, mais atenta – para ser recompensada com a reafirmação, por minha filha, de que eu era (e sou!) sua mãe.

Seus gestos vão me ensinando sobre uma cumplicidade que eu desconhecia. Desde então, é ali que repousam minhas mais profundas alegrias. Minha filha refez meu lugar de mãe, e é na certeza dele, desse amor, que descanso.

Anúncios
Esse post foi publicado em Posts e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s