4º COMPÊNDIO AMOROSO

Semana passada, uma das reflexões propostas aqui no “Diário” problematizava a máxima “o importante é que venha com saúde”. Foram muitas mensagens que reafirmavam o ponto de vista aqui defendido, e muitas outras acrescentando pontos fundamentais. Uma infinidade de comentários compondo um diálogo, uma partilha e uma catarse essenciais a nossa vida cotidiana, tão carente de espaço e de tempo com esses propósitos.

Pois bem. Houve uma palavra que foi “campeã de audiência” entre as mensagens: AMOR. Contei sua escrita pelo menos 36 vezes. E uma alegria enorme tomou meu coração. Éramos muitos falando de amor, o que acabou se tornando também uma utopia desse “Diário”. Que essa palavra tão incorporada ao nosso discurso se traduza em sentimento impregnado em nossas relações. E que a força dessa amorosidade seja capaz de impulsionar as transformações necessárias para uma vida melhor para todos nós.

Eu podia listar aqui todos os comentários partilhados no post do último dia 16 de julho, pela riqueza que cada um carrega. Mas elegi um, que me emocionou de maneira especial, feito por uma mãe que conheci na UTI Pediátrica, dormindo pelos corredores em vigília ininterrupta pela saúde de sua filha, vítima de câncer. À afirmativa de que mais importante do que um filho vir com saúde é vir com o amor, ela acrescentou, com grande conhecimento de causa:

“até quando falta a vida, o amor prevalece”!

Anúncios
Esse post foi publicado em Posts e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s