Grão viver

Sabe aquela experiência de criança de plantar um grão de feijão no algodão e acompanhar seu crescimento? Pois bem, estamos vivendo-a às avessas aqui em casa. Explico. Minha filha gosta de apreender o mundo sensorialmente. Tudo o que envolve seus sentidos faz brotar seu contentamento: água, massagem, abraço, grama…
Recentemente descobrimos mais um estímulo: plantamos seus pés e suas mãos dentro de uma vasilha de feijão. Os grãos miúdos, em quantidade, apresentam uma textura que faz cócegas em sua curiosidade. Ela fincou pés e mãos, arrastou, puxou, segurou… experimentou o mundo naqueles pedacinhos de leguminosas e com elas alimentou sua vontade de movimento, a despeito da dificuldade motora provocada por sua lesão cerebral.
Tal qual a semente da infância de muitos de nós, minha filha fez raízes de seus pés e mãos e os cultivou com o insumo de seu interesse mais autêntico pelos inúmeros feijões do vasilhame. Passou longos minutos nessa importante tarefa, digna de sua urgência de viver. Quando conquistou intimidade com os sentidos despertos pela experiência, tratou de semear entusiasmo em todo o tapete da sala. Vida em forma de feijão, testemunho do seu grão desejo de vir a ser.

feijao

Anúncios
Esse post foi publicado em Posts e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s